O PROCESSO DE MORTE E MORRER NA VISÃO DO ENFERMEIRO

Raquel dos Santos Lima, Jerônimo Abreu Costa Júnior

Resumo


O ESTUDO TEVE COMO OBJETIVOS COMPREENDER A VISÃO DO ENFERMEIRO DIANTE DO PROCESSO MORTE/MORRER DOS PACIENTES; RELATAR OS SENTIMENTOS VIVENCIADOS PELO ENFERMEIRO FRENTE AO PROCESSO MORTE/MORRER DOS PACIENTES BEM COMO DESCREVER OS FATORES QUE FACILITAM E DIFICULTAM O ENFERMEIRO LIDAR COM O PROCESSO MORTE/MORRER. TRATA-SE DE UM ESTUDO QUALITATIVO, FUNDAMENTADO NA FENOMENOLOGIA DE HUSSERL, TEVE COMO SUJEITOS DEZESSEIS ENFERMEIROS QUE TRABALHAM NA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DO HOSPITAL GERAL MUNICIPAL DE CAXIAS (MA). FOI UTILIZADA A ENTREVISTA FENOMENOLÓGICA PARA COLETA DE DADOS, OCORRIDA DURANTE OS MESES DE ABRIL E MAIO DE 2013. DA ANÁLISE DOS DADOS, EMERGIRAM QUATRO UNIDADES DE SIGNIFICAÇÃO. AS UNIDADES DE SIGNIFICAÇÕES FORAM EXTRAÍDAS DOS RELATOS DOS ENFERMEIROS. CONCLUI-SE A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO EM ESTUDAR A MORTE, ISSO PODE LHE AJUDAR A LIDAR COM SUA CONSTANTE PRESENÇA, COM VISTAS A UM PREPARO PESSOAL E PROFISSIONAL DE FORMA QUE VENHA REDUZIR O ESTRESSE E A ANSIEDADE AO SE DISCUTIR E CONVIVER DIARIAMENTE COM ESSAS SITUAÇÕES DE SOFRIMENTO, PROPORCIONANDO AO PROFISSIONAL A ELABORAÇÃO E O ESCLARECIMENTO DE SUAS PREOCUPAÇÕES FRENTE À MORTE.


Texto completo:

PDF

Referências


OLIVEIRA, W. I. A, de.; AMORIM, R. C. A morte e o morrer no processo de formação enfermeiro. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 29, n. 2, p. 191-198, jun, 2008.

AGUIAR, I. R. et. al. O envolvimento do enfermeiro no processo de morrer de bebês internados em Unidade Neonatal. Acta Paul Enferm, São Paulo, v. 19, n.2, abr/jun, 2006.

FRATEZI, F. R.; GUTIERREZ, B. A. O. Cuidador familiar do idoso em cuidados paliativos: o processo de morrer no domicílio. Rev. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n.7, Jul, 2011.

KUBLER-ROOS, E. Sobre a morte e o morrer. 8ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

COSTA, J. C.; LIMA, R. A. G. Luto da equipe: revelações dos profissionais de enfermagem sobre o cuidado à criança/ adolescente no processo de morte e morrer. Rev Latino-am Enfermagem, Ribeirão Preto,v. 13, n.2, p. 151-157, mar/abril, 2005.

MUROFUSE, N.; ABRANCHES, S.; NAPOLEÃO, A. Reflexões sobre estresse e Burnout e a relação com a enfermagem. Rev. Latino-Amer. Enferm.,Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, p. 255- 261, Mar./Abril, 2005.

COSTA, C. A.; FILHO, W. D. L.; SOARES, N. V. Assistência humanizada ao cliente oncológico: reflexões junto à equipe. RevBrasEnfer, Brasília, v. 56, n. 3, p.310-314, maio/jun, 2003.

BRASIL, Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Comunicação de notícias difíceis: compartilhando desafios na atenção a saúde. 2009.

GUTIERREZ, B. A. O.; CIAMPONE, M. H. T. O processo de morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem de UTIs. RevEscEnferm, São Paulo, v.41, n. 4, p. 660-667, jun, 2007.

SILVA, L. C. da. et. al. Hospitalização e morte na infância: desafios das famílias. Rev. Fam. Saúde Desenv., Curitiba, v.8, n.1, p.73-79, jan./abr, 2006.

MOTA, M.S. et al. Reações e sentimentos de profissionais da enfermagem frente à morte dos pacientes sob seus cuidados. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 32, n. 1, p. 129-35, mar., 2011.

SANCHES, P. G.; CARVALHO, M. D. B. Vivência dos enfermeiros de unidade de terapia intensiva frente à morte e o morrer. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 30, n. 2, p. 289-96, jun, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.