PODER ANTIOXIDANTE DE CAROTENOIDES, FLAVONOIDES E VITAMINA E NA PREVENÇÃO DA ARTERIOSCLEROSE

Kelson Nascimento Conceição, Fabiane Araújo Sampaio Araújo Sampaio, Ilmara Patrícia Compasso da Silva de Queiroz, Vaniele Fernandes da Silva, Aldaires Oliveira da Silva

Resumo


A arteriosclerose caracteriza-se pelo acúmulo de depósitos de gordura nas células que revestem a parede de uma artéria coronária e, em consequência, obstruem a passagem do sangue. Os Antioxidantes são substâncias capazes de prevenir os efeitos deletérios da oxidação, inibindo o início da lipoperoxidação, sequestrando radicais livres. Entre as substâncias que desempenha papel antioxidante e função de neutralizar os radicais livres estão os carotenoides, flavonoides e vitamina E, que impedem que danos sejam causados nas membranas da célula. Neste levantamento bibliográfico, foram utilizados, artigos originais, e de revisão, sendo incluídos estudos publicados no período de 2002 a 2014. Para tanto, foram utilizados bancos de dados BIREME – MEDLINE (Literatura Internacional em Ciências da Saúde), SCIELO - Scientific Eletronic Library Online e PUBMED por serem de elevada credibilidade e confiabilidade. O objetivo deste estudo é ressaltar os benefícios de alguns antioxidantes na alimentação entre os principais podemos citar os carotenoides, flavonoides e a vitamina E que atuam impedindo a peroxidacao lipídica, o que reduz o risco de doenças cardiovasculares. Considera-se assim que esses nutrientes trazem benefícios à saúde dos seres humanos, podendo prevenir complicações a saúde, decorrente de doenças cardiovasculares.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


STOCKER R; KEANEY JF, Jr.Role of oxidative modifications in atherosclerosis. Physiol Rev, 84(4): 1381-478, 2004.

SIQUEIRA AFA, ABDALLA DSP, FERREIRA SRG. LDL: da síndrome metabólica à instabilização da placa aterosclerótica. Arq Bras Endocrinol Metab.;50(2):334-43;2006.

ZIMMERMANN, A. M.; KIRSTEN, V. R.; Alimentos com função antioxidante em Doenças crônicas: uma abordagem clínica. Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 51-68, 2008.

COZZOLINO, SILVIA MARIA FRANCISCATO; COMINETTI, CRISTIANE (Org.). Bases bioquímicas e fisiológicas da nutrição: nas diferentes fases da vida, na saúde e na doença. Barueri: Manole, 2013.

KOURY, J.C. Zinco, estresse oxidativo e atividade física. Rev. Nutr., Campinas, v. 16, n. 4, p. 433 -441. 2003.

HALLIWELL, B.; RAFTER, J.; JENNER, A. Health promotion by flavonoids, tocopherols, tocotrienols, and other phenols: direct or indirect effects? Antioxidant or not? American Journal of Clinical Nutrition, v. 81, n. 1, 2005.

SHAMI, N. J. I. E.; MOREIRA, E. A. M. Licopeno como agente antioxidante. Rev. Nutr. Campinas, v. 17, n.2, p. 227-236, abr.-jun, 2004.

RODRIQUES HG, DINIZ YS, FAINE LA, ALMEIDA JA, FERNANDES AA, Novelli EL. Suplementação nutricional com antioxidantes naturais: efeito da rutina na concentração de colesterol - HDL. Rev. Nutr.16:315-20.2003.

MARTINS CM, OLIVEIRA DM, TEIXEIRA TF, PELUZIO MC. O paradoxo do papel da vitamina E na iniciação e progressão da aterosclerose e sua correlação com os radicais livres. Rev Med Minas Gerais. 14:113-6, 2004.

HERRERA E, BARBAS C. Vitamin E: action, metabolism and perspectives. J Physiol Biochem. n.57, p.43-56, 2001.

Halliwell B, Whiteman M. Measuring reactive species and oxidative damage in vivo and in cell culture: how should you do it and what do the results mean. Br J Pharmacol. 142(2): 231-55, 2004.

BARBOSA, K.B.F.;COSTA, N.M.B.; ALFENAS, R.C.G.; PAULA, S.O.;MINIM, V.P.R,; BRESSAN, J.; Estresse oxidativo: conceito, implicações e fatores modulatórios. Rev. Nutr., Campinas, 23(4):629-643, jul./ago., 2010.

CABRERA TC, SERRANO DS. Algunos aspectos sobre el estrés oxidativo,el estado antioxidante y la terapia de suplementación. Rev Cubana Cardiol.14:55-60.2000.

KRITHARIDES L, STOCKER R. The use of antioxidant supplements in coronary heart disease. Atherosclerosis. 2002.

RIQUE AB, SOARES EA, MEIRELLES CM. Nutrição e exercício na prevenção e controle das doenças cardiovasculares. Rev. Bras. Med. Esporte,8:244-54.2002.

MÁRQUEZ, M. et al. Aspectos básicos y determinación de lãs vitaminas antioxidantes E y A. Invest. Clín., v. 43, n. 3,2002.

GAZZONI, D. L. Alimentos funcionais. Embrapa soja, Londrina, 2003.

HALLIWEll B, WHITEMAN M. Measuring reactive species and oxidative damage in vivo and in cell culture: how should you do it and what do the results mean? Br J Pharmacol.142(2): 231-55.2004.

CHAO, J. C. J. et al. Effects of β-carotene, vitamin C and E on antioxidant status in hyperlipidemic smokers. Journal of Nutritional Biochemistry, v. 13, p. 427- 434, 2002.

AMBRÓSIO, C. L. B.; CAMPOS, F. A. C. S.; FARO, Z. P. Carotenóides como alternativa contra a hipovitaminose A. Revista de Nutrição. v. 19, n.2, p. 233-243, 2006.

CATANIA, A. S.; BARROS, DE C. R.; FERREIRA. S. R. G. Vitaminas e minerais com propriedades antioxidantes e risco cardiometabólico: controvérsias e perspectivas. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, São Paulo, v. 53, n. 5, jul. 2009.

DAMODARAN, S.; PARKIN, K.; FENNEMA, O. R. Fennema’’s food chemistry. 4. ed. Boca Raton: CRC Press,p.11-44, 2008.

HALLIWELL, B.; RAFTER, J.; JENNER, A. Health promotion by flavonoids, tocopherols, tocotrienols, and other phenols: direct or indirect effects? Antioxidantor not? American Journal of Clinical Nutrition , v. 81, n. 1, 2005.

O’BYRNE, D. J. et al. Comparison of the antioxidant effects of Concord grape juice flavonoids α-tocopherol on markers of oxidative stress in healthy adults. American Journal of Clinical Nutrition, v. 76, n. 6, p. 1367-1374, 2002.

OLIVEIRA T.T.; SILVA, R.R.;DORNAS, W.C.; NAGEM, T.J.; flavonoides e aterosclerose. RBAC, vol. 42, n.1, p.49-54, 2010.

SCALBERT, A.; JOHNSON, i. T.; SALTMARSH, M.. Polyphenols: antioxidants and beyond. American Journal of Clinical Nutrition, v. 81, n. 1, 2005.

KRIS–ETHERTON, P. M.; WEST, S. G. Soy protein with or without isoflavones:in search of a cardioprotective mechanism of action. American Journal of Clinical Nutrition, v. 81, n. 1, p. 5-6, 2005.

SETIADIA DH. Vitamin E models. Shortened side chain models of a, b, g and d tocopherol and tocotrienol: a density functional study. J Mol Struct. v.637, p.11-26, 2003.

SOUZA, P. H. M.; SOUZA NETO, M. H.; MAIA, G. A. Componentes funcionais nos alimentos. Boletim da SBCTA. v. 37, n. 2, p. 127-135, 2003.

FIAMONCINI, R.L. Radicais livres, antioxidantes e vitamina E no Esporte. Nutrical em pauta. 2004.

MARTINS CM, OLIVEIRA DM, TEIXEIRA TF, PELUZIO MC. O paradoxo do papel da vitamina E na iniciação e progressão da aterosclerose e sua correlação com os radicais livres. Rev. Med. Minas Gerais; 14:113-6, 2004.

Bianchini R, Penteado MVC. Vitamina E. In: Vitaminas: aspectos nutricionais, bioquímicos, clínicos e analíticos. Barueri: Manole; p.23-164. 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.