Intoxicação exógena por medicamentos: aspectos epidemiológicos dos casos notificados entre 2011 e 2015 no Maranhão

Luzia Helena Silva Chaves, Átila Corrêa Viana, Walter Pinheiro Mendes Júnior, Ataiza Lima e Silva, Lahize de Carvalho e Serra

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico dos casos notificados de intoxicação exógena por medicamentos no Estado do Maranhão nos anos de 2011 a 2015. Metodologia: Estudo de carácter epidemiológico descritivo, cujos dados foram adquiridos através de consultas à base de dados SINAN. A população do estudo foi composta por 575 registros notificados em 22 municípios do Maranhão. Resultados: O ano de 2014 apresentou o maior índice de notificação (34,8%) com 82 casos relacionados ao sexo masculino (14,3%) e 118 do feminino (20,5%). Quanto ao número de casos de intoxicação medicamentosa relacionada à faixa etária foi observada uma quantidade considerável de crianças de 1 a 4 anos (33,7%). Os fatores de riscos mais encontrados incluem o uso acidental, seguido do uso terapêutico, automedicação e tentativa de suicídio. Conclusão: É importante intensificar e manter cuidados com as notificações em geral, principalmente àquelas referentes às intoxicações medicamentosas. Além disso, cabe ao pessoal da saúde insistir na conscientização, orientação e demais cuidados quanto ao uso de determinadas medicações.


Texto completo:

PDF

Referências


Andrade Filho A, Romano C. Toxicologia na prática clínica. Belo Horizonte: Folium; 2001. Cap. 5, p.53-60.

Santos AS, Legay LF, Lovisi GM, Santos JFC, Lima LA. Suicídios e tentativas de suicídios por intoxicação exógena no Rio de Janeiro. Rev Bras Epidemiol. 2013; 16(2): 376-87.

Santos J. Consumo excessivo de medicamentos, um problema de saúde pública. RET-SUS. Agosto/setembro, 2012; Ano VII, n.55: 6-9.

Nobrega HOS, Silva EL, Mariz SR, Bragagnolli G, Fook SLM. Perfil das intoxicações notificadas na paraíba, de 2009 a 2013. Rev Cereus. 2015; 7(2).

Cella E, Almeida RB. Automedicação: enfoque pediátrico. Rev. Saúde Públ., 2012; 5(1).

Andrade Filho A, Campolina D, Dias MB. Toxicologia na prática clínica. 2 ed. Belo Horizonte: Folium, 2013, Cap. 23, p. 262.

Tavares EO, Buriola AA, Santos JAT, Ballani TSL, Oliveira MLF. Fatores associados à intoxicação infantil. Esc Anna Nery. 2013; 17 (1):31-37.

Teles AS, Oliveira RFA, Coelho TCB, Riveiro GV, Mendes WML, Santos PNP. Papel dos medicamentos nas intoxicações causadas por agentes químicos em município da Bahia, no período de 2007 a 2010. Rev Ciênc Farm Básica Apl, 2013; 34(2): 281-288.

Neto AMV, Ferreira MAD, Figueiredo SMFB, Silva FMB, Soares ACS, Gondim APS. Aspectos epidemiológicos da intoxicação por medicamentos em crianças e adolescentes atendidos no centro de assistência toxicológica do Estado do Ceará. Revista Baiana de Saúde Pública, 2009; 33(3): 388-401.

Oliveira DH, Suchara EA. Intoxicações medicamentosas em hospital público de Barra do Garças – MT, no período de 2006 a 2009. Rev. Ciênc. Méd. Biol., 2014; 13(1):55-59.

Reis LM, Martins BF, Gavioli A, Mathias TAF, Oliveira MLF. Saúde do homem: internações hospitalares por intoxicação. Esc Anna Nery (impr.) 2013; jul - set; 17 (3):505–511.

Silva MVRS, Branco TB, Filha FSSC. Administração de medicamentos: erros e responsabilidades dos profissionais. Revista Ciência e Saberes. 2015 Out-Dez; 1(2):112-118.

Fukuda RC, Silva LDG, Tacla MTGM. Intoxicações exógenas em pediatria. Revista Varia Scientia – Ciências da Saúde, 2015; 1(1).

Malaman KR, Paranaíba ASC, Duarte CMS, Cardoso RA. Perfil das intoxicações medicamentosas no Brasil. Infarma, 2009; 21(7/8).

Oliveira EN, Félix TA, Mendonça CBL, Souza DR, Ferreira GB, Freire MA et al. Tentativa de suicídio por intoxicação exógena: contexto de notificações compulsórias. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 2015; 6(3): 2497-11.

Souza TT, Godoy RR, Rotta I, Pontarolo R, Fernandez-Llimos F, Correr CJ. Morbidade e mortalidade relacionadas a medicamentos no Brasil: revisão sistemática de estudos observacionais. Rev Ciênc Farm Básica Apl, 2014; 35(4): 519-532.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.