PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO PÓS-PARTO E FATORES ASSOCIADOS: revisão integrativa

Anna Carolinne Castro Galvão, Fernando José Guedes da Silva Júnior, Larissa Alves de Araújo Lima, Claudete Ferreira de Souza Monteiro

Resumo


OBJETIVO: identificar a prevalência e fatores associados da depressão pós-parto para a mulher e o concepto, bem como evidenciar a importância de um acompanhamento adequado durante o período puerperal. METODOLOGIA: trata-se de uma revisão integrativa da literatura, na qual utilizou-se as bases de dados BVS, MEDLINE, LILACS, e SciELO. Os descritores foram “Enfermagem”, “Depressão pós-parto”, “Saúde mental” e “Saúde da mulher”. A pesquisa foi realizada durante o período de Maio a Agosto de 2014. RESULTADOS: O estudo foi operacionalizado com oito artigos. Encontrou-se que quadros depressivos maternos no pós-parto e ao longo do primeiro ano de vida da criança apresentam algumas particularidades, variando quanto à época de seu surgimento, sua incidência e em relação à severidade dos sintomas. CONCLUSÃO: A DPP tem repercussões negativas na qualidade de vida da mulher, na dinâmica familiar, na relação mãe-bebê e no desenvolvimento cognitivo e afetivo da criança.

DESCRITORES: Enfermagem. Depressão pós-parto. Saúde Mental. Saúde da Mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


Coutinho MPL, Saraiva ERA. Depressão pós-parto: considerações teóricas. Estudos e pesquisas em psicologia. 2008; 8(3): 759-773.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica

de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico; Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Moraes IGS, et al. Prevalência da depressão pós-parto e fatores Associados. Rev Saúde Pública. 2006; 40(1): 65-70.

Fonseca VRJRM, Silva GA, Otta E. Relação entre depressão pós-parto e disponibilidade emocional materna. Cad. Saúde Pública. 2010;26(4): 738-746.

OMS. Manejo de las complicaciones del embarazo y el parto: Guía para obstetrices y médicos. Spain: OMS; 2002.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm. 2008;17(4).

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 28.ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

Vieira AP, et al. Prevalência de depressão pós parto em mulheres de um hospital universitário. Anuário da Produção de Iniciação Científica Discente. 2010; 14(25):311-321.

Gomes LA, et al. Identificação dos fatores de risco para depressão pós-parto: Importância do diagnóstico precoce. Rev. Rene. 2010;11(4):117-123.

Frizzo GB, et al. Depressão pós-parto: evidências a partir de dois casos clínicos. Psicol. Reflex. Crit. 2010 v.23, n.1, p.46-55, abr./nov. Porto Alegre, 2010.

CORDEIRO, E.L et al. Estratégias dos enfermeiros da atenção básica frente à depressão pós-parto: uma revisão integrativa. Revista de Trabalhos Acadêmicos. 0, jun. América do Norte, 2013.

ZAMBALDI, C.F.; CANTILINO, A.; SOUGEY, E.B. Sintomas obsessivo-compulsivos na depressão pós-parto: relatos de casos. Rev. Psiquiatr. Rio Gd. Sul. v.30, n.2, p. ago. Porto Alegre, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.