Teste de caminhada de seis minutos: uma análise situacional de sua prática clínica

Ana Maria da Mata Almeida, Maria Amelia da Mata Almeida, Ricardo João Soares Barros Filho, Ivo da Mata Almeida

Resumo


Objetivo: analisar o entendimento dos fisioterapeutas que trabalham em hospital público e privado da cidade de Teresina – Pi, a metodologia de aplicabilidade do Teste de caminhada de seis minutos como indicador prognóstico e sua contribuição na prática clínica diária. Metodologia: trata-se de um estudo transversal, quantitativo e qualitativo com aplicação de questionário próprio e unidade amostral composta por 34 fisioterapeutas que trabalham em hospitais públicos e/ou privados de Teresina – PI. Resultados: 76,5% dos participantes da pesquisa não utilizam o Teste de caminhada de seis minutos na prática da fisioterapia, apenas 23,5% (8) o utilizam. 62,5% utilizam na prescrição de exercícios e 87,5% antes e após intervenção de reabilitação pulmonar. As principais variáveis avaliadas são Frequência Cardíaca, Frequência Respiratória, Borg, SpO2 e Distância Percorrida. Conclusão: o teste de caminhada de seis minutos ainda é pouco utilizado na prática clínica e a metodologia a qual é desenvolvido depende de adaptações de percursos.


Texto completo:

PDF

Referências


Britto RR, Sousa LAP. Teste de caminhada de seis minutos – uma normatização brasileira. Fisioter Mov.2006;19(4):49-54.

Moreira MAC, Moraes MR, Tannus R. Teste de caminhada de seis minutos em pacientes com DPOC durante programa de reabilitação. J Pneumol. 2001; 27(6):296-300.

Neder JA. Teste da caminhada de seis minutos na doença respiratória crônica: simples de realizar, nem sempre fácil de interpretar. J braspneumol 2011; 37(1):1-3.

Dal Bosco A. Avaliação do Teste de Caminhada de Seis Minutos e do Teste de Função Pulmonar em pacientes submetidos a transplante pulmonar. [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2005.

Rondelli RR, Oliveira AN, Dal Corso S, Malaguti C. Uma atualização e proposta de padronização do teste de caminhada de seis minutos. Fisioter Mov. 2009; 22(2): 249-59.

Silva, TLP, Sampaio LMM, Borghi-Silva K, Audrey LN, Costa D. Comparação entre o teste de caminhada de seis minutos realizado no corredor e na esteira rolante em mulheres asmáticas. FisioterMov. 2007;20(2):137-44.

Solway S, Brooks D, Lacasse Y, Thomas S. A qualitative systematic overview of the measurement properties of functional walk tests used in the cardiorespiratory domain. Chest 2001;119(1):256-70.

Enright PL, McBurnie MA, Bittner V, Tracy RP, McNamara R, Arnold A, et al.The 6-min walk test: a quick measure of functional status in elderly adults.Chest 2003;123(2):387-98.

Silva MIFM. Comparação entre diferentes formas do teste de caminhada de seis minutos em Indivíduos saudáveis e em portadores de DPOC. [Dissertação]. Piracicaba (SP): Universidade Metodista de Piracicaba; 2006.

Soares CPS, Pires SR, Britto RR, Pereira VF. Avaliação da aplicabilidade da Equação de referencia para estimativa de desempenho no teste de caminhada de seis minutos em indivíduos saudáveis brasileiros. Rev SocCardiol 2004; 14(1):1-8.

Mak VH, Bugler JR, Roberts CM, Spiro SG. Effect of arterial oxygen desaturation on six minute walk distance, perceived effort, and perceived breathlessness in patients with airflow limitation.Thorax1993;48(1):33-8.

Poulain M, Durand F, Palomba B, Ceugniet F, Desplan J, Varray A, et al. 6-minute walk testing is more sensitive than maximal incremental cycle testing for detecting oxygen desaturation in patients with COPD. Chest 2003;123(5):1401-7.

Wise RA, Brown CD.Minimal clinically important differences in the six-minute walk test and the incremental shuttle walking test.COPD. 2005;2(1):125-9.

ATS Statement: Guidelines for the six-minute walk test. Am. J. Crit. Care Med. 2002; 166:111-117.

Simões LA, Dias JM, Marinho DKC, Pinto CLLR. Britto RR. Função muscular e capacidade funcional em idosos. RevBras Fisio2010;14(1):24-30.

Carvalho AR, Assini TCKA. Aprimoramento da capacidade funcional de idosos submetidos a uma intervenção por isostretching. RevBrasFisio 2008;12(4): 268-73.

Araújo CO, Makdisse MRP, Peres PAT, Tebexreni AS, Ramos LR, Matsushita AM et al. Diferentes padronizações do Teste da Caminhada de Seis Minutos como método para mensuração da capacidade de exercício de idosos com e sem cardiopatia clinicamente evidente. ArqBrasCardiol. 2006; 86(3):198-205.

Camargo VM, Martins BCS, Jardim C, Fernandes CJC, Hovnanian A, Souza R. Validação de um protocolo para o teste de caminhada de seis minutos em esteira para avaliação de pacientes com hipertensão arterial pulmonar. J Bras Pneum 2009;35(5):423-30

Stevens D, Elpern E, Sharma K, Szidon P, Ankin M, Kesten S. Comparison of hallway and treadmill six-minute walk tests. Am J RespirCritCareMed 1999;160(5):1540-3.

Pneumoatual. Teste de Caminhada de seis Minutos. Pneumo Atual Express News. Nº 95 – 18/06/2004.Disponível em: www.pneumoatual.com.br

Zanchet RC, Viegas CAA, Lima T. A eficácia da reabilitação pulmonar na capacidade de exercício, força da musculatura inspiratória e qualidade de vida de portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. J braspneumol 2005; 31(2): 118-124.

Martinez JAB, Padua AI, Terra Filho J. Dispnéia. Medicina.2004.

Mota RS, Benvenuto MC, Klatau AV, Silva IL, Cardoso FB, Berford H. Avaliação da eficácia do exercício aeróbico na reabilitação de pacientes com marcha hemiparetica. RevBrasFisio 2010; 11(4): julho/agosto de 2010.

Cyarto EV, Brown WJ, Marshall AL, Trost SG. Comparison of the effects of a home-based and group-based resistance training program on functional ability in older adults. Am J Health Promot.2008;23(1):13-7

Barela JA. Estratégias de controle em movimentos complexos: ciclo percepção-ação no controle postural.Rev Paul Educ Fís. 2000;(Supl3):79-88.

Nascimento LCG, Patrizzi LJ, Oliveira CCES. Efeito de quatro semanas de treinamento proprioceptivo no equilíbrio postural de idosos .FisioterMov 2012;25(2):325-31.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.